Confira os minicursos disponíveis

Gênero, Diversidade e Temas Correlatos. Aprendizagens de Gênero na Família e na Escola. Intervenções Curriculares para a Equidade e para o Reconhecimento da Diversidade na Escola.
Ministrante (s): Ligia Luís de Freitas; Alcilene da Costa Andrade; Maria José Cândido Barbosa; Laudicéia Ramanho.

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 10

ADICIONAR


Ministrante (s): Profa. Ma. Maria Helena de Lima Freitas – FAM; Profa. Ma. Mônica de Nazaré Carvalho – IEPA, Maria do Socorro Carvalho Araújo - FAM;

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 29

ADICIONAR

Discutir e analisar estratégias de ensino de Ciências para estudantes surdos, na sala de aula
Ministrantes (as): Dr. Lusival Barcellos – UFPB e Dranda. Eliane Silva de Farias – FUNIBER

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 46

ADICIONAR


Ministrante(s): Naama Pegado Ferreira, Clécio Danilo Dias Da Silva, Ivaneide Alves Soares Da Costa

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 41

ADICIONAR


Ministrante(s): Antonio Luiz Da Silva

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 16

ADICIONAR

Problematização da atuação docente numa dimensão macro da educação e da diversidade; o processo de inclusão e aprendizagem da criança com deficiência intelectual; ludicidade na prática pedagógica inclusiva; a aprendizagem de crianças com deficiência intelectual sob influência da ludicidade.
Ministrante(s): Marlene Barbosa De Freitas Reis, Carla Salomé Margarida De Souza

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 0

Este minicurso tem como objetivo oferecer instrumental teórico e analítico para subsidiar abordagens sobre as possibilidades e fronteiras nas pesquisas etnográficas em ambientes escolares, estes, caracterizados por práticas socioculturais heterogêneas, multifacetadas, com rupturas e continuidades. Nessa perspectiva, destaca-se que “o fazer etnográfico” perpassa os limites de uma simples descrição, pois permite compreender os códigos, as estruturas e as subjetividades individuais e coletivas subjacentes nos mecanismos das interações sociais. Ressalta-se que este método de pesquisa, dependendo das especificidades do objeto de estudo (como, por exemplo, as pesquisas em redes sociais virtuais), pode demandar a combinação e a utilização de múltiplos materiais de pesquisa, a fim de obter dados significativos e complementares a partir das observações de campo. Sendo assim, este minicurso está dividido em três etapas: na primeira, um breve histórico acerca do surgimento da etnografia e dos seus principais precursores para a fundação desse modelo específico de pesquisa. Na segunda, uma introdução aos conceitos elementares da etnografia – observação participante e descrição densa. Na última, uma análise dos atuais campos de pesquisas etnográficas em escolas, levando-se em conta as influências das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDICS) nos modos de ser, pensar e aprender dos estudantes. Assim, este minicurso, de caráter multidisciplinar, pretende contribuir para a formação profissional e acadêmica de discentes, docentes, pesquisadores e técnicos com interesse em investigações científicas no espaço escolar e, também, espera proporcionar um momento para reflexões e discussões sobre as “novas” implicações nas práticas de pesquisas etnográficas demandadas pelos múltiplos fenômenos sociais nos distintos contextos escolares da era das tecnologias digitais.
Ministrante(s): Edgard Leitão de Albuquerque Neto, Patrícia Portela Martins

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 20

ADICIONAR

Metodologia para o ensino de línguas adicionais para surdos. Adaptações metodológicas para o ensino de línguas. Multiletramentos na educação de surdos.
Ministrante(s): Ronny Diogenes de Menezes, Ana Caroline Pereira da Silva, Fábio Marques de Souza.

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 0

O contexto da Educação Inclusiva no Brasil; O Ensino de Química e a Inclusão; A Química e a Deficiência Visual; Práticas para a Inclusão no Ensino de Química.
Ministrante(s): Mestrando Paulo Vidal Guanabara de Azevedo - UEPB

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 27

ADICIONAR


Ministrante(s): Mestre Iara de Moraes Gomes – Coordenadora de Educação Especial da PMCG.

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 0

Teoria e Prática sobre o autismo - Relato de experiência com uma criança da rede municipal de CG- Atividades práticas desenvolvidas na Sala de Recursos Multifuncionais
Ministrante (s): Mestranda Aparecida Patricio - UEPB, Alessandra Berto da Costa- UEPB

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 0

O minicurso proposto visa promover uma interação do público-alvo com a leitura e a escrita do Sistema Braille, demonstrando o método de leitura, de escrita e os instrumentos utilizados pelas pessoas com deficiência visual. O Sistema Braille, inventado por Louis Braille, em 1825, na França, foi adotado a partir de 1854, com a criação do Imperial Instituto dos Meninos Cegos, atual Instituto Benjamin Constant (IBC). Esse sistema é constituído pela escrita em relevo, formado por 64 sinais. Esse método proporciona o processo de aprendizado dos atores sociais cegos. Neste minicurso, discutiremos a importância do Sistema Braille para o processo de alfabetização dos referidos atores sociais (BRASIL, 2016). O público-alvo de tal ação pedagógica serão os alunos, professores e profissionais da educação. Tem com objetivos discutir a importância do Braille para o processo de inclusão social das pessoas com deficiência visual e elaborar atividades sobre a leitura e a escrita Braille com o público-alvo. Seu conteúdo programático contempla a apresentação de alguns instrumentos do Sistema Braille, demonstração das formas de leitura e escrita Braille, alfabeto Braille. Conforme as normas propostas, o minicurso conterá duração de 4h, com 20 participantes. Iremos trabalhar com uma pratica pedagógica focalizando os conhecimentos básicos necessários para compreender o processo de leitura e escrita Braille. Para tanto, podemos dividir a turma em grupos e distribuiremos reglete, punção e papel oficio para que os participantes possam praticar o processo de escrita e leitura em Braille. Passaremos também documentários que envolvem pessoas com deficiência visual, bem como sobre o Instituto Benjamin Constante.
Ministrante(s): Alindembergue de Araújo Oliveira – UEPB, Miqueiraufflis Costa Santos – Universidade Vale do Acaraú

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 32

ADICIONAR

terão lugar no minicurso discussões sobre o processo de levantamento de dados para o planejamento de atividades a serem desenvolvidas junto aos alunos com deficiência no Ensino Superior, o acompanhamento da monitoria para alunos universitários com deficiência e as práticas de acompanhamento e assessoramento dos professores dos alunos com deficiência no Ensino Superior. Na dimensão da prática pedagógica, sugestões de adaptações de atividades relacionadas às deficiências físicas e baixa visão bem como modelos didáticos apropriados a estes casos; e orientações sobre o plano de trabalho desenvolvido pelos docentes que tem alunos com deficiência.
Ministrante(s): Carla Andréa Silva, João Antônio de Sousa Lira, Leonardo José Freire Cabó

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 44

ADICIONAR

O minicurso em questão, pretende problematizar as questões de gênero e sexualidade no espaço educacional, privilegiando a perspectiva dos direitos humanos. Buscamos aqui, questionar/desnaturalizar as normatizações que se colocam nas questões relacionadas a gênero, repensando o papel da escola, da família e dos sujeit@s invisibilizado@s.
Ministrante(s): Jessica Lobo Sobreira

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 19

ADICIONAR

1) O campo brasileiro: breve histórico e perspectivas: características sociais, políticas, econômicas e culturais das populações do campo; recorte histórico de lutas pela terra e algumas conquistas para a educação do campo no Brasil. 2) Fundamentos político-pedagógicos para a educação do campo: a escola do campo nos termos da lei; a escola do campo para além do direito: possibilidades de práticas pedagógicas emancipatórias; 3) organização curricular e pedagógica das escolas multiserriadas do campo: os percursos formativos para a escola do campo: contribuições da Pedagogia Histórico-Crítica; a organização do trabalho pedagógico em escolas multisseriadas do campo.
Ministrante(s): Natalia Ayres Da Silva

Carga Horária: 04

Vagas Disponíveis: 25

ADICIONAR

O minicurso tem como objetivo principal contribuir com a formação contínua de Professores e/ou estudantes da área da Educação Técnico-Profissional e Superior, para que possam atuar numa perspectiva inclusiva utilizando-se de uma metodologia ativa, a Metodologia de Projeto, como estratégia de ensino e aprendizagem, a fim de favorecer a prática docente no atendimento aos alunos adultos com Necessidades Educativas Especiais e efetivamente cumprir os direitos fundamentais contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos: o direito à “instrução técnico-profissional e a instrução superior, esta baseada no mérito (...)”- Artigo XXVI, e as recomendações da Declaração de Salamanca, quanto ao atendimento equitativo aos aluno e à formação dos Profissionais para a Educação Inclusiva. Neste contexto, foram pensados os seguintes conteúdos e atividades, tendo em vista o desenvolvimento de acordo com uma metodologia participativa, como a Metodologia de Projeto, foco do minicurso em questão: 1. Apresentação dos participantes, suas expectativas para o minicurso, e apresentação da docente; 2. apresentação do minicurso; 3. Levantamento dos saberes prévios dos participantes sobre os temas abordados: Metodologia de Projeto, Educação Profissional, numa perspectiva inclusiva; 4. Apresentação do Direito a Instrução/Educação descrito na Declaração Universal dos Direitos Humanos e da Declaração de Salamanca, nas questões sobre o atendimento às pessoas com NEE, na transição para a vida ativa e o preparo dos profissionais, para a Educação Inclusiva. 5. Metodologia de Projeto: características e possibilidades de desenvolvimento como ferramenta pedagógica, na Educação Técnico-Profissional e Superior, numa perspectiva inclusiva. 6. Porque pensar em uma Educação Técnico-Profissional e Superior numa perspectiva inclusiva? 7. Construindo novas competências: o trabalho com a Metodologia de Projeto: exemplos de como se desenvolver atividades dentro da sala de aula, com a Metodologia de Projeto como estratégia de ensino e aprendizagem. 6. Pausa para renovar as energias físicas e mentais 8. Estímulo/exemplo para desenvolvimento de um projeto por pessoas com NEE: Vídeo 9. Apresentação dos “Passos para o desenvolvimento de um Projeto” (CAPELLINI, 2013, p. 93) e da “Metodologia da Problematização com o Arco de Maguerez” (BERBEL, 2011, p. 33). 10. Desenvolvimento, apresentação e avaliação, pelos participantes, de um modelo de Projeto (Tema escolhido pelo participante). Importante destacar: no decorrer do minicurso inclui alguns momentos de exposição teórica em que o docente terá um papel mais central, porém, o objetivo é que, mesmo nestes momentos, a aula seja participativa, ou seja, que haja a participação e colaboração de todos os presentes. Também foi previsto, para o decorrer do minicurso, um momento de “Atividade de relaxamento físico” que, para além do propósito de descontração dos participantes, também faz parte do objetivo da formação, como exemplo para uma aula em qualquer contexto, com uma metodologia participativa.
Ministrantes (as): Maria Aparecida Dos Santos

Carga Horária: 4

Vagas Disponíveis: 0

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA & III JORNADA CHILENA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA E DIREITOS HUMANOS

Direitos Humanos, Diversidade e Práticas Inclusivas